Crítica | O Hipopótamo

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Filme de 2017 do diretor John Jencks (The end of the line, Trust), tendo no elenco Roger Allam (Ted Wallace), Fiona Shaw (Anne Logan) e Matthew Modine (Michael Logan), adaptação do best-seller de Stephen Fry, é uma comédia pautada em um grande mistério que ronda a família Logan. Ted Wallace é um escritor e poeta que não consegue mais escrever nada há anos, o que auxiliou para que ele desenvolvesse o hábito de beber demais. Com isso, o poeta que já não consegue ver muito sentido na vida, perdido sozinho em seu apartamento que não possui ordem alguma, consegue a chance de mudar tudo quando uma velha amiga o visita contando uma história bem interessante e estranha. Segundo ela um primo da família, o qual seria sobrinho de Ted, teria desenvolvido poderes de cura e ela queria que seu tio desvendasse esse mistério, repassando todas as informações a ela. Para isso, Ted teria que ir visitar sua doce irmã Anne que vivia em uma grande propriedade e um conforto o qual não seria muito difícil para o poeta se adaptar.

the-hippopotamus-roger-allam-tommy-knight-300x200-6111057-5864213

A ironia usada por Ted, juntamente ao seu mau humor e a falta de crença no resto da humanidade fazem com que o velho ranzinza seja não somente o personagem principal do filme como também cativa a empatia logo no primeiro momento em que é apresentado, mesmo que seu comportamento não seja visto com bons olhos é possível entender e até ter pena da situação dele. A questão da barreira criativa que o persegue é tratada juntamente ao seu vício por bebida, wisky para ser mais específica. E seu drama permeia o trajeto investigativo que ele se propôs a ter, mostrado em tempos específicos dentro do enredo, ajudando para entender até mesmo a cena que será apresentada a seguir.

the-hippopotamus-movie-image-300x169-4975674-8321350

O desfecho de toda a trama é sensacional e surpreendente, tanto para o caso que se investiga por Ted quanto para o próprio encaminhar da vida dele. Talvez o título do longa não seja algo tão atrativo, mas como temos aquele velho ditado de “não julgar o livro pela capa” também não se deve fazer o mesmo com títulos de filmes, acredite.

Trailer: 

Veja também: Os Biorobôs de Chernobyl eram reais? Entenda o que aconteceu