Filmes perturbadores que você deveria assistir (ou não)

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Sabe aqueles filmes que quando estamos assistindo nos incomodam, embrulham nosso estômago, tiram o nosso sono, roubam nossa fome, que nós fazem refletir sobre o que ocorreu e ser filme de horror, gore e afins não é pré requisito. Prepare-se para causar danos irreversíveis ao seu psicológico, vendo os filmes dessa lista:

  1. GUMMO – Vidas sem Destino (1997)
gummo1_1050_591_81_s_c1-2196574-4738601-1312612

É uma produção norte-americana de 1997, escrita e dirigida por Harmony Korine (também escritor do polêmico Kids de Larry Clark) ,sendo o primeiro filme comandado por Korine. Numa mistura de ficção e realidade, abordando um lado bem obscuro da sociedade norte-americana, de forma bastante vamos se dizer que peculiar.

Os amigos Tummler (Nick Sutton) e Solomon (Jacob Reynolds) navegam pelas ruínas de uma cidadezinha devastada por um furacão e habitada por criaturas deformadas, perturbadas e pervertidas. Os jovens passam o tempo aprontando ou se drogando. Em outro lugar, Bunny Boy (Jacob Sewell) é intimidado por crianças com a metade de sua idade e as irmãs Dot (Chloe Sevigny) e Helen (Carisa Glucksman) tentam escapar de um pedófilo.


2. Eraserhead (1977)

golova-lastik-9264607-1643864-7319878

Um filme estadunidense de 1977, dirigido e escrito por David Lynch. Gravado em preto e branco, o terror surrealista foi o primeiro longa-metragem de Lynch, que já denota muito do seu estilo específico de fazer cinema. Surrealismo, terror gótico, muito humor negro é coisas muito esquisitas (como seus personagens), esse são alguns dos ingredientes que compõem Eraserhead.

Henry e Mary têm um bebê que nasceu prematuro e é desumano. Quando a mãe os abandona por não conseguir suportar seu terrível aspecto, Henry deve se esforçar para cumprir seu papel de pai solteiro.


3. Begotten (1991)

begotten-5-1050x591-9000080-4929302-8320861

É um filme experimental/Filme de terror de 1991, escrito e dirigido por E. Elias Merhige. Aos primeiros olhos de uma pessoa desavisada, pode ser confundido facilmente com um filme muito antigo, devido a forma artesanal que o filme foi feito, essa obra bizarra, recheada de imagens com sofrimento, dor, perversão, ocultismo é muito sangue, simplesmente Begotten.

Um solitário Deus, vestido impecavelmente, se suicida ao cortar-se com uma navalha. A Mãe Terra surge da morte, e com sêmem do morto fertiliza-se dando origem a Humanidade, um bebê debilitado e torturado durante toda sua existência por seres sem face.


4. Salò ou os 120 Dias de Sodoma (1976)

salo-1-8427996-8542111-8275215

É um filme ultra mega super polêmico italiano de 1975 último filme do controverso cineasta italiano Pier Paolo Pasolini. Recomendado ver esse filme de barriga vazia (SÉRIO), acusado de repulsivo é chocante (ainda ta pouco), contendo cenas de torturas, abusos, assassinatos, orgias, humilhações, é até gente se alimentando de cocó, sim você não leu errado.

Quatro libertinos fascistas reúnem nove adolescentes, meninos e meninas, submetendo-os a 120 dias de sofrimento como escravos sexuais, obrigando-os a praticar os mais diferentes tipos de orgias, torturando-os física e mentalmente.


5. Ex Drummer (2007)

É um filme belga dirigido por Koen Mortier e quem se engana com o seu título (“Ex-Baterista”) e espera assistir um musical ou documentário sobre rock, leva logo um nocaute nos primeiro minutos. O filme é uma bela jornada pela escrotidão humana, onde violência, loucura, sexo explícito, estupros e muitos outros tabos fazem parte do cardápio.

Em um vilarejo belga, um grupo de adolescentes sonha em se tornar estrelas de rock, levando uma vida de drogas, álcool e sexo. O único problema é que os três amigos são deficientes físicos, e ainda não encontraram um baterista. Mas um dia um homem parece o candidato ideal para completar a banda: um escritor de sucesso, sem deficiências físicas. O único problema é que este homem não sabe tocar bateria. Mesmo assim, a banda se forma e começa sua precária trajetória musical – até o momento em que o novo baterista passa a impor a todos as suas regras muito peculiares para lidar com a fama.

Texto escrito por Ruy Neto