Nicolas Cage (o zoado) e o post de uma fã

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Nas duas últimas décadas, o ator de mil faces, Nicolas Cage não têm sido levado muito á sério. Mesmo tendo sido aclamado em meados dos anos 1980 e 1990, e por ser da família dos Coppola, não conseguiu provar ter realmente mil faces. Nicolas é aquele cara que faz os melhores filmes de ação ruins de bilheteria, mas excelentes em repetir o Cage caracterizado dele mesmo. O que é um charme da parte dele!

É de se saber que ele: já se envolveu em brigas; é especialista compulsivo em gastar seus dólares hollywoodianos em bugigangas e coisas vivas; e que tem mais imagens de memes com seu rosto do que imagens próprias nas pesquisas do Google. O cara é realmente uma zoeira! Mas a “zuera never ends” só me faz divertir com o descaso.

giphy-6883928-1764537-7417612

Apesar do meu conhecimento mínimo sobre cinema e atuação, não vou considerar mais as zoeiras do que o próprio alter ego de Cage nas telas. Macho, de andar rígido, voz máscula tórrida, respirar arfante. Ele meio que me seduz.

Aquela ironia dramática percebida em Feitiço da Lua (1987) em conjunto com a também dramática, mas racional, Cher.

Hilário no mais forçado possível e atraente no mais drogado admissível, como em Vício Frenético(2009) ao lado de Eva Mendes. Sem exageros maldosos, ele atua com descaramento para ser um policial entretido entre o ofício e o crime, de forma a deixá-lo mais zoado. O filme é de fazer rir por ser mirabolante.

https://www.youtube.com/watch?v=uu6DRAvHJVM

Em O Senhor das Armas (2005), Nicolas está em incrível comando de uma trama policial, com causa e efeito de guerra, munições e família, muita seriedade, paciência e charme. Cage está tão sedutor quanto poderoso, até sendo um simples judeu vindo da Ucrânia.

Teve ainda sua atuação enigmática, enérgica e erótica em um longa muito bem dirigido pelo mestre do nonsense, David Lynch. Wild at Heart, de 1990, apresenta um Cage himself vivendo uma paixão na estrada, rodeada de muita violência e insanidade.

A verdade é que adoro esse cara excêntrico e expressivo facialmente. Ele possui uma filmografia mais extensa do que meu primeiro old american man  favorito, Johnny Depp. Dentre os mais de 60 filmes – também chamados de fiascos – é válido mencionar Despedida em Las Vegas, de 1995, que lhe rendeu oscar como o melhor bêbado sentimental.

giphy-7424716-3599058-9421228

Ele produziu muitos papéis interessantes e legou uma personalidade instigante. Contrariando os gostos de críticos robustos e suas chatices, relevo aqui o Nicolas Cage vibrante e impossível no seu melhor e no seu pior. Desculpe se ficou evidente que sou fã.

 Feliz natal aí adiantado.

giphy-4964627-5193830-7964709

Bônus

Para um fim de post com mais ” kkkk ” e menos “bláblá”, entre no site com gifs maravilhosos de Cage.https://giphy.com/search/nicolas-cage