Rosa e Momo – Análise crítica 2020

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Rosa e Momo: Madame Rosa é uma sobrevivente do Holocausto judeu e uma sobrevivente do campo de concentração de Auschwitz que tem uma espécie de creche na casa onde mora na costa da Itália. Sua vida mudou quando ele começou a cuidar de Momo, um imigrante senegalês de 12 anos que acabara de ser roubado.

Rosa e Momo
Rosa e Momo

Para o telespectador nacional será fácil comparar o filme italiano Rosa e Momo, que marca a volta da divina Sophia Loren ao cinema depois de uma pausa de mais de uma década – seu último filme foi o musical de Hollywood Nine (2009) no qual faz uma participação especial.

Com o nosso Central do Brasil (1998), premiado no Festival de Cinema de Berlim e indicado ao Oscar não só de Melhor Filme Estrangeiro, mas também de Melhor Atriz pela incrível Fernanda Montenegro. nos filmes de defesa os dois também parecem estar acompanhados por jovens noviços – Vinícius de Oliveira há duas décadas Ibrahima Gueye.

Rosa e Momo – Início

Agora Semelhanças também perpassa histórias em que as mulheres começam a ajudar ainda que relutantemente ao filho, mas aos poucos se entregam. considere que os homens irão ajudá-los em um momento difícil de suas vidas. A principal diferença, então, está no comportamento de Walter Salles e Edoardo Ponti.

Enquanto o primeiro era frugal nos movimentos e sabia enriquecer o conjunto, o segundo parece acreditar que vale a pena desperdiçar no jogo oportunidades preciosas que, se eles tinham sido usados ​​melhor, teria enriquecido seu trabalho.

Rosa e Momo
Rosa e Momo

Essa percepção se deve à discrepância de tempo entre Madame Rosa (Loren) e Momo (Gueye). Embora o nome seja bem conhecido e conhecido – o diretor Ponti é filho dele – a tarefa de corrigir a discussão recai sobre seus ombros. Há uma divisão equilibrada entre os dois – e é aí que começa a separação do brasileiro. semelhante.

Acrescente a isso o fato de não só respeitarmos as convenções do gênero, como também fizemos um road movie que conseguiu aproveitar esses elementos colocando você do seu lado. Desta vez, porém, é uma aposta difícil no melodrama temático. que abraça sem muitas reservas. Em si, isso não é demérito.

Rosa e Momo – Enredo

Ao contrário, decidir por trajetórias duradouras vai além do que é necessário para reinventar toques de originalidade e inovação que possibilitem um novo olhar, Uma característica estranha desta estrada é bem conhecida.

Assim como Filomena (Bárbara Santos) de Vida Invisível (2019), Rosa é uma ex-prostituta que já está velha e decidiu trabalhar cuidando dos filhos de suas colegas mais novas. amigo, um médico que já deu abrigo a um órfão, mas que agora não pode continuar a dar esta ajuda. Por mais que receba relutantemente o pedido, acaba aceitando.

Rosa e Momo
Rosa e Momo

Afinal não seria aquele que estava sob sua tutela Mas os dois têm leões com quem luta pela memória do Senegal que deixou e pelo abandono de seu pais que morreram durante esta viagem. Ela pelas dolorosas memórias da época do fechamento dos campos de concentração durante a Segunda Guerra Mundial.

Mais em comum, os dois compartilham o medo do que o futuro lhes reserva: por um lado, a natureza concreta de uma existência controlada para o outra é a incerteza de uma doença que pode impedi-lo de saber quem você realmente é

Rosa e Momo – Análise final

A linha narrativa desta nova adaptação do livro de Romain Gary (que já havia sido exibido na tela em Madame Rosa: Life Ahead of You 1977 Produção francesa premiada com o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e César de Melhor Atriz por Simone Signoret)

É linear, sem surpresas ou explosões criativas, por um lado, se não permite o risco nem a coragem, também garante ao elenco e à equipe um ambiente confortável para as ambições reveladas que Rosa e Momo falam de perdas e conquistas de superação e demissão. concentre-se no que é melhor, seu par principal.

Rosa e Momo
Rosa e Momo

Mesmo que nem sempre saiba como usar os dois corretamente, ou pelo menos esperava que Sophia Loren merecesse mais. Mas o que ganha com a tristeza de deixar o público e os cineastas em relação aos nomes de sua faixa etária é o suficiente para se apresentar como um encontro esperado em que se confirma como poucos de sua estatura.

Perguntas frequentes sobre o tema:

TítuloLa vita davanti a sé (Original)
Ano produção2020
Dirigido porEdoardo Ponti
Estreia13 de Novembro de 2020 ( Brasil )
Duração94 minutos
Classificação 14 – Não recomendado para menores de 14 anos
GêneroDrama
Países de OrigemItália
Rosa e Momo
Rosa e Momo

Espero que tenha tirado boas ideias do post, sempre estou trazendo resenhas, resumos e análises interessantes sobre filmes badalados ou até mesmo sobre filmes nacionais que merecem mais atenção.

Gostou do post sobre Rosa e Momo – Análise crítica 2020

Continue nos acompanhando e interagindo com a gente, gostaria que comentasse qual filme marcou a sua vida, assim como esse foi marcante para mim! irei trazer mais filmes antigos e também filmes que foram marcantes na épica sessão da tarde.

Sua avaliação e sua interação são de suma importância pra conseguirmos trazer o que é interessante pra você leitor!