O Resgate do Soldado Ryan 1998 – Resumo crítico

Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin

Diante da trágica influência do regime nazista sobre os judeus da bela Lista Schindler, cinco anos depois, Steven Spielberg decidiu sair do momento crítico dos soldados e conflitos americanos e retornar à Segunda Guerra Mundial.

O Resgate do Soldado Ryan 1998
O Resgate do Soldado Ryan 1998

Porém, se este método é mais íntimo e melancólico no início, desta vez o diretor se concentrará na atuação, criando cenas inesquecíveis e realizando missões de resgate de batalha. Os temas são semelhantes e distantes um do outro, o facto é que estas duas obras demonstram plenamente o talento e a versatilidade deste grande realizador.

O Resgate do Soldado Ryan 1998 – História

O Resgate do Soldado Ryan 1998“, escrito por Robert Rodat, conta a história do desembarque militar americano na famosa praia de Omaha, França, em 6 de junho de 1944, na velocidade da luz. Depois de ter vivido o verdadeiro massacre das metralhadoras.

O capitão alemão John Miller (Tom Hanks) tem a tarefa de liderar um plano para encontrar o jovem James Ryan (Matt Damon), que são quatro dos únicos irmãos sobreviventes, por isso ele escolheu retornar para seu país e aliviar um pouco da dor de sua mãe.

O problema é que Ryan é um pára-quedista cujo paradeiro é desconhecido, fazendo com que os soldados duvidem da eficácia da missão.

O Resgate do Soldado Ryan 1998 – Cansativo?

Embora tenha durado quase 3 horas, o processo de contação de histórias de “O Resgate do Soldado Ryan 1998” sempre manteve uma velocidade emocionante, graças à sua cotação de histórias simples e eficaz, que não abrirá mais espaço para trivialidades desnecessárias, mas sempre focando nas tarefas do grupo e obstáculos.

O Resgate do Soldado Ryan 1998
O Resgate do Soldado Ryan 1998

Para tanto, Spielberg contou com a forte atuação de seu colaborador habitual Michael Kahn (Michael Kahn) para determinar esse ritmo dinâmico, combinando cenas de batalha emocionantes com breves momentos de descanso, como quando os soldados estão em um exército que tentou se recuperar da batalha quando a igreja falava ou se reunia com companheiros de armas.

O Resgate do Soldado Ryan 1998 – Desenvolvimento

Isso não impede Spielberg de criar belos momentos dominados pelo silêncio e pela melancolia, como na cena em que sua mãe Ryan recebe três cartas para informar aos filhos sobre a morte deles.

O diretor pode completar todo o trabalho dramático da cena de forma eficaz, sem usar uma palavra, basta escolher o plano e a apresentação do ator, sem precisar nem mesmo embrulhar toda a cena com uma trilha sonora melancólica.

Spielberg também é bom em fazer planos eficazes, já que o rápido plano mestre que acompanhou a chegada de um grande contingente norte-americano à costa francesa de Spielberg confirmou sua genialidade e sua turbulenta câmera nos derrotou na batalha.

Obviamente, a sequência de abertura é muito cativante e pode fazer o público prender a respiração e mantê-los em suas cadeiras por mais de 20 minutos.

O Resgate do Soldado Ryan 1998 – Spielberg

Spielberg comandava com habilidade e grande habilidade. A invasão da Normandia não foi apenas o melhor momento para “salvar Ryan”, mas também o melhor momento da carreira do diretor, para Steven Spielber.

Grade, isso não é pouca coisa. Spielberg nos permitiu lutar com câmeras implacáveis ​​(geralmente subjetivas), som puro e franco e nunca confundindo montagens para criar uma série de sequências totalmente tecnicamente perfeitas, apostando na fidelidade gráfica, demonstrando o impacto violento do conflito armado.

O Resgate do Soldado Ryan 1998
O Resgate do Soldado Ryan 1998

Usando o método correto que faltava em seu trabalho recente, ele corajosamente espalhou os cadáveres destruídos na praia e espalhou sangue por toda parte.

O Resgate do Soldado Ryan 1998 – Reflexão

Para refletir a hostilidade desse arranjo, as fotos cinza de Janusz Kaminski (geralmente o outro parceiro de longa data de Spielberg) abrem muito pouco espaço para cores mais vivas. Isso não exclui a necessidade de planos elaborados, como soldados caminhando sob a luz que cai.

No horizonte ou na cena final, quando um grupo de pessoas falava sobre o raro sol rompendo o tempo nublado que assomava na área. Este método torna a cena da batalha mais tensa e sufocante, especialmente quando chove.

Também lá dentro, como na igreja, a fotografia é bela, o que permite a Spielberg desenvolver planos convincentes em conversas íntimas que enfatizam a humanidade desses soldados.

O Resgate do Soldado Ryan 1998 – Análise

Apesar de todos os problemas, Ryan finalmente apareceu como um grupo. Quando isso acontecer, olhe para Spielberg por alguns segundos para revelar o rosto de Matt Damon, porque enquanto ele está no palco é o suficiente para que o público o reconheça como um personagem ideal.

Além disso, mesmo em um dos raros momentos em que Hanks e Damon se apresentaram juntos, embora Dimon fosse excelente em uma conversa com o Capitão Miller sobre as memórias da vida exterior, ele teve muito pouco tempo na tela.

Depois de conhecer Ryan e resolver a principal contradição da história, o roteiro transformou o confronto com o alemão na ponte em um clímax, e até funcionou normalmente, embora não tenha sido tão pesado quanto a espetacular batalha de abertura.

O Resgate do Soldado Ryan 1998
O Resgate do Soldado Ryan 1998

O som voltou a ter um papel fundamental, pois foi ele quem anunciou a chegada do tanque alemão e causou um conflito muito realista e intenso, novamente filmado pela câmera trêmula de Spielberg e guiado pelo diretor e seu diretor.

O Resgate do Soldado Ryan 1998 – Considerações finais

“O Resgate do Soldado Ryan 1998” é mais emocionante do que se imaginava. Funcionou bem à sua maneira. Isso fez com que o público participasse da batalha e nos fez sentir que o medo da guerra está cada vez mais próximo, embora no final não haja nada sobre ela.

Perguntas frequentes sobre o tema:

Onde se passa o resgate do soldado Ryan?

Ao desembarcar na Normandia, no Dia D, capitão recebe a missão, na praia, de resgatar com vida o soldado James Ryan, caçula de quatro irmãos, dentre os quais três morreram em combate. Neste trecho, as tropas aliadas desembarcam na praia de Omaha, momento crucial para a finalização do segundo conflito mundial.

Qual é o diretor do filme O Resgate do Soldado Ryan?

Steven Spielberg
O Resgate do Soldado Ryan/Direção

Em que ano foi lançado o filme O Resgate do Soldado Ryan?

5 de março de 1999 (Brasil)
O Resgate do Soldado Ryan/Data de lançamento

O que acontece no final do filme O Resgate do Soldado Ryan?

Inconformados com a ordem de procurar uma agulha (Ryan) no palheiro (a guerra), os soldados liderados por Miller ficam se questionando porque este soldado vale o esforço de oito homens. E no final da história o próprio Ryan (Matt Damon) recebe a ordem: “faça valer a pena!”

Qual foi a renda de bilheteria filme do filme O Resgate do Soldado Ryan?

Bilheteria: 482,3 milhões USD

Espero que tenha tirado boas ideias do post , sempre estou trazendo resenhas, resumos e análises interessantes sobre filmes badalados ou até mesmo sobre filmes nacionais que merecem mais atenção.

Gostou do post sobre O Resgate do Soldado Ryan 1998 – Resumo crítico?

Continue nos acompanhando e interagindo com a gente, gostaria que comentasse qual filme marcou a sua vida, assim como este foi marcante para mim! irei trazer mais filmes antigos e também filmes que foram marcantes na épica sessão da tarde.

Sua avaliação e sua interação são de suma importância pra conseguirmos trazer o que é interessante pra você leitor!