Leitores do HQCafé, com vocês o nosso novo colaborador Francisco Oliveira, designer, quadrinista e ilustrador, do apenasumchico.com.

 

Manual Prático da Garota Mágica o primeiro quadrinho publicado pelo cearense radicado em São Paulo, Heitor Pinheiro da Costa, publicado sem periodicidade fixa na página oficial do quadrinho no Facebook. Em julho de 2017 com o objetivo de participar de um destes eventos, a Comic Com Experience (CCXP) em São Paulo, Heitor buscou o financiamento coletivo pela plataforma Catarse angariando R$ 16.680,00 e publicando a versão impressa em 2018 pela editora de auto-publicações Lura Editorial.

Heitor faz parte de uma geração do quadrinho nacional formada nos fórum de internet e que publicavam seus trabalhos diretamente na rede. Influenciados diretamente pelo mercado japonês. Essa geração tem como expoentes Max Andrade, a dupla Eudetenis, Kaiji Pato e Dharylia Sales que participam e/ou venceram concursos de quadrinhos manga no Brasil e no exterior. Ao bem da verdade, lidamos com uma geração de produtores que só consegue o reconhecimento local com o sucesso internacional, o que é uma pena se pensar sobre, mas isso está mudando devido principalmente às feiras espalhadas pelo país também conhecidas como Artist’s Alley ou Beco dos Artistas dependendo do evento e pelas plataformas de financiamento coletivo como Catarse, Padrim, Apoia-se pra citar os mais famosos.

Uma série de homenagens

Como deixa clara a sinopse no inicio do texto. Manual é uma ode ao gênero japonês de mangas e animes conhecido como Mahou Shoujo ou Garotas Mágicas em português, que possui como grandes expoentes no Brasil as séries exibidas na TV nos anos 90/2000: Pretty Soldier Sailor Moon de Naoko Takeuchi além de Card Captor Sakura e Magic Knight Rayearth do grupo CLAMP entre outras.

Apesar de inserir elementos comuns aos dias de hoje como os MMORPGs e os campeonatos de games. Manual passeia por todos os clichês do gênero como a garota em idade escolar, o ser mágico que serve como tutor e conselheiro, o foco nas relações de amizade entre as garotas e as paixões platônicas que podem se realizar. Tá tudo lá para agraciar os amantes do gênero.

A nova guardiã do mundo

Sem muitos spoilers. Nas primeiras páginas, uma espécie de prólogo, somos apresentados a Blaze, o seletor mágico e uma espécie de guardião que é incumbido da missão de escolher uma nova guardiã do mundo para evitar que os Servos da Escuridão alcancem o Orgonite uma espécie de cristal que pode leva-los até o Coração do Mundo. Não estou certo quanto a isso, mas acredito que seja um local onde tenha uma intensa energia mágica ou esteja relacionadas de alguma forma as Linhas de Ley (Googlem isso!)

Em seguida somos levados a terra onde está Léia, a personagem principal dessa história, uma garota gamer/geek que normalmente vira as noites jogando o MMORPG favorito do momento o Liga dos Legendários. Seu objetivo é conseguir o Título Dourado a medalha mais rara do jogo e claro que ela consegue, mas já é manha e ela sequer notou isso. Sendo despertada pelo celular ela abre as venezianas e conhecemos seus pais e Jonatan o vizinho crush.

Um ponto forte das histórias do Heitor, já estava presente em Heroes of Glory e está aqui é a facilidade com que o ele constrói personagens simpáticos ao leitor. Você se importar com todos que estão ali e isso não é pra qualquer um. Tanto que um grande amigo uma vez me disse em uma conversa sobre quadrinhos que você tem até as CINCO primeiras páginas para ganhar um leitor com a sua história se não conseguir. Já era! Mas com Heitor não temos esse problema o que me deixa feliz por saber que ele não perdeu a mão nisso.

Enquanto isso, somos apresentados a Brieta que além ser aparentemente rica e perfeitinha, tem uma paixão platônica por Jonatan e está decidida a entregar uma carta declarando o seu amor pra ele. Não à toa quando Blaze enfim chegam a terra seus olhos são todos para Brieta ou pelo menos era até ela e Léia trombarem na rua. Literalmente o que faz nossa loirinha perder a carta de amor e desconfiar que Jonatan e Léia sejam mais que amigos. Com isso terminamos o primeiro capítulo.

Uma série episódica

Diferente de obras como Mayara & Annabele de Pablo Casado e Tales Rodrigues, que só utilizam do cliffhanger como recurso no fim de cada volume. Manual Prático da Garota Mágica por ser um webquadrinho segue uma linha episódica cheia recursos de roteiro em que o personagem entra em uma situação limite, com um dilema, um confronto perigoso ou revelação surpreendente que só se resolve na próxima edição. Algo bem novela mesmo.

Horas mais tarde na escola Brieta ainda está crisada e arrasta sua amiga Isadora para saber se as suspeitas dela são reais. Enquanto o pobre Blaze continua stalkeando Léia esperando uma oportunidade para se apresentar.

Uma observação que preciso fazer é sobre o timming da série, ou seja, o tempo que as coisas levam, de fato, para acontecer. O único personagem que sacamos rápido o nome e as motivações é o Jonatan. Brieta, por exemplo, leva longas sete páginas para entender bem qual é o nome dela, o que deu mais da metade do capitulo. Isadora então, nem se fala, demorou nove páginas pra acontecer o mesmo. Não é que isso seja necessariamente uma ruim, mas acho que se nas primeiras linhas de dialogo pudéssemos saber informações como nome e o que faz é importante. Isso me atrapalhou muito na hora da construção dessa resenha. O nome do MMORPG jogado por Léia só vai ser mostrado cerca de 30 páginas depois e ainda assim os conceitos básicos, por não ser o foco da história, ficam completamente de lados. A sensação que dá é que alguns conceitos ou até mesmo nomes não estão fechados e à medida que o quadrinho vai sendo publicado é o que eles surgem.

O campeonato de Liga dos Legendários

Devidamente apresentadas Izadora e Brieta convencem Léia a ir até o shopping para, bom, fazer coisas de meninas. Elas têm um plano pra descobrir de uma vez por todas se Jonatan e Léia tinham mesmo alguma coisa.

Após elas testarem vários vestidos e verem que nossa heroína não é bem o que elas pensavam. Léia decide ir embora cansada de tudo isso, porém no caminho da saída do shopping ela é surpreendida por um campeonato de Liga dos Legendários e mais ainda porque Jonatan está trabalhando no evento. Além de dinheiro o prêmio é a taça dos vitoriosos e a lendária pedra Orgonite. Léia se escreve e vence fácil todos os oponentes até que na final enfrentara o maior jogador de LoL de todos os tempos: o Cavaleiro Sanguento.

Concluindo

E não é só isso. Tem muito mais conteúdo e reviravoltas em Manual Prático da Garota Mágica, mas chega de spoilers por hoje. Desde o inicio eu acreditava muito no potencial da história e ela não está me decepcionando. Porém nas pesquisas para essa resenha eu notei que Heitor PC mudou um pouco a abordagem da obra. Ele deixou o primeiro volume disponível, mas o segundo está em produção e será exclusivo do impresso que teve campanha de financiamento no primeiro semestre de 2018. Essa é mais um serie que quero acompanhar e irei trazer a resenha aqui no blog tão logo tiver conteúdo novo.

Ficha técnica
Manual Prático da Garota Mágica #1
Autor: Heitor PC
Editora: Lura Editorial
Ano de publicação: 2018
128 Páginas (as páginas não são numeradas)

Onde você pode encontrar o Manual Prático da Garota Mágica: