Charles Chaplin teve uma infância difícil. Garoto pobre nascido em Londres, Inglaterra, teve um pai ausente e uma mãe que foi internada em um asilo para doentes mentais quando tinha 14 anos. Começou a se apresentar como artista muito cedo, já demonstrando talento em peças de teatro. Aos 19, entrou para a famosa companhia de Fred Karno, que o levou aos EUA, onde se tornaria o ícone do cinema e quase unanimidade que conhecemos.

Seu personagem mais famoso, o Vagabundo (ou Carlitos), foi criado para o filme Carlitos no Hotel, de 1914 (ainda que tenha aparecido em filmes lançados antes, estes foram feitos mais tarde e ficaram prontos mais rápido). Depois de mais de uma dezena de películas, estreou na direção em Carlitos e a Sonâmbula, que foi um grande sucesso. Produzindo no ritmo de um curta por semana, Chaplin criou uma legião de fãs.

Em 1918, encerrou seu contrato com seu segundo estúdio devido à decrescente popularidade do Vagabundo, e procurou independência criativa, que achou conseguir com o First National. Pelo estúdio, filmou O Garoto, seu primeiro filme a ter mais de uma hora de duração, e que mostra como amadureceu como artista: com toques de drama, ele procurava ter uma mensagem por trás de seu trabalho.

chaplin_o_garotoJá no início de 1919, Charles estava descontente com a recusa da produtora em bancar suas ideias e,  junto a Douglas Fairbanks, Mary Pickford e D. W. Griffith, fundou a United Artists. O primeiro longa que dirigiu pela nova distribuidora foi Casamento ou Luxo?, de 1923 (ele ainda teve que terminar um contrato de seis filmes com a First National antes disso), estrelado por Edna Purviance, que não fez muito sucesso. No entanto, a produção do custoso Em Busca do Ouro (de 1925, aquele em que ele come botas e faz a dancinha das batatas espetadas no garfo), com sua volta ao papel de Carlitos, foi um grande sucesso de público.

Em Luzes da Cidade, ele se recusou a aderir à crescente tecnologia de filmes com som, tentando permanecer fiel à sua visão artística. Foi lançado em 1931, quando filmes mudos quase já não eram mais produzidos, mas mesmo assim seguiu alcançando sucesso de crítica e público. Ainda insistindo em filmes mudos, lançou o genial Tempos Modernos, que mostra o Vagabundo tentando sobreviver na época da Grande Depressão. Ainda que hoje seja exaltado, na época, alguns não viram seu tom político com bons olhos.

E se o tom político não agradou todo mundo, em O Grade Ditador (1940), o homem chutou o pau da barraca. Um longa dedicado a satirizar o nazifascismo que vinha em ascensão na Europa, aproveitando-se da semelhança física do Vagabundo com Adolf Hitler, e o primeiro que o cineasta cedeu ao cinema falado. Mesmo o filme sendo estrelado por um “Barbeiro Judeu”, na prática, o personagem é bem semelhante a Carlitos. Ainda que a película tenha tido êxito comercial, criou uma imagem de Chaplin atrelada à militância política, e até mesmo ao comunismo, mesmo com a forte vertente pró-democrática de seu discurso. Julgue você mesmo:

Porém, se o público e a crítica se curvavam ao seu talento único, em sua vida pessoal, Chaplin vinha sofrendo muitos reveses. Em sua conturbada vida amorosa, duas vezes ele havia engravidado menores e mais tarde se separado delas: Mildred Harris, de 17 anos e Lita Grey, de 16. Dessa vez, um namoro breve com a aspirante de atriz Joan Berry resultou em um reconhecimento judicial de paternidade altamente escandaloso, embora exames de sangue comprovassem que Carol Ann não era filha do comediante. Curiosamente, foi durante a época de suas lutas nos tribunais que Charles encontrou a felicidade com Oona O’Neil (de 18 anos), com quem permaneceu até o fim da vida e teve oito filhos.

Com tudo isso acontecendo, o mitológico diretor do FBI J. Edgar Hoover incentivou a campanha para desacreditá-lo. Chaplin tinha amizade com suspeitos de serem entusiastas do comunismo, fez campanha para ajudar o front soviético na Segunda Guerra, e compareceu a festas promovidas por diplomatas da URSS. Além disso, criticava publicamente o que considerava abusos contra direitos civis cometidos contra comunistas ou suspeitos de o serem, e isso foi o suficiente para ser considerado ele mesmo um comunista e subversivo perigoso não somente pelo Bureau, mas pela imprensa.

Chaplin no julgamento de paternidade. À direita da foto, a pequena Carol Ann no colo da avó.

Chaplin no julgamento de paternidade. À direita da foto, a pequena Carol Ann no colo da avó.

Por tudo isso, Monsieur Verdoux, que continha uma crítica ao uso de armas de destruição em massa, foi um grande fracasso (ao menos nos EUA). Em face dessa perseguição, Chaplin decidiu fazer a première mundial de seu filme seguinte, Luzes da Ribalta, em Londres. Lá, recebeu a notícia de que sua permissão para retornar havia sido revogada e, caso decidisse fazê-lo, teria que passar por uma entrevista.

Decepcionado com o ódio direcionado a ele nos EUA, onde Luzes da Ribalta – apolítico e autobiográfico – sofreu um boicote, decidiu não tentar voltar. Cortou totalmente seus laços americanos e se estabeleceu na Suíça, de onde produziu mais filmes, dos quais se pode citar Um Rei em Nova York, no qual satiriza de maneira amarga toda a situação que passou. Ele morreu no Natal de 1977, com a saúde debilitada por uma série de derrames.

Foi difícil colocar aqui em um espaço tão pequeno todas as contribuições que Charles Spencer Chaplin fez ao cinema, que ajudou a transformar de mera tecnologia incipiente em arte. Por isso optei por fazer uma narrativa de sua carreira e vida. Mas, como uma história hollywoodiana, essa teria que ter um final feliz. Por isso, vou usar o mesmo truque sujo de sua biografia cinematográfica Chaplin (de 1992, estrelada brilhantemente pelo jovem Robert Downey Jr.) e adicionar um pouco de emoção ao final do texto.

No fim, passada a efervescência ideológica, os EUA voltaram a apreciar o gênio do artista mais do que seus dramas pessoais ou supostas afinidades políticas (que nunca se confirmaram). Em 1972, voltou ao país pela primeira vez em mais de vinte anos para receber um Oscar Honorário, o que foi considerado como o momento em que fez as pazes com a terra que o fez famoso e com a indústria que ajudou a moldar. Fiquem com seu discurso de aceitação e tentem não se emocionar com os olhos marejados do velhinho.